QUER R$50 OFF? INSCREVA-SE NO

HENRIQUE INSIGHTS


Troque altas taxas por um futuro melhor

No mercado brasileiro existem milhares de fundos de investimentos que cobram muito caro pelo que fazem.

Escolher os melhores fundos para cuidar do seu dinheiro é parte do nosso trabalho.

E o grande problema é que não existe uma regra generalista para te indicar como fazer essa escolha.

É tudo um pouco confuso e apenas um time especialista totalmente independente pode te ajudar com esta missão.

Vou dar uma ideia de como isso é complicado de descobrir, usando um diálogo recente que tivemos com um cliente:

Perguntas e Respostas

"Devo procurar os fundos com menor taxa de administração para alcançar minha independência financeira?"

"Sim e não. Taxa de administração é apenas uma das variáveis que precisamos avaliar em um fundo. Inclusive não se esqueça que fundos também cobram taxa de performance em alguns casos."

"Entendi, então basta somar as duas e buscar a de menor taxa?"

"Definitivamente, não. Comparar taxas só é razoável para estruturas com gestão passiva.

"Fundos de gestão passiva são aqueles que simplesmente seguem algum índice de referência. Portanto a única forma de diferenciação e através dos seus custos e taxas. Contudo para cuidar do nosso patrimônio de longo prazo muitas vezes recorremos a gestão ativa. Você sabe o que significa isso?"

"Não tenho a menor ideia. Seria algo que não segue ninguém?"

" Basicamente os fundos de gestão ativa seguem as teses de investimento de uma pessoa, ou melhor de um grupo de pessoas - responsável pela gestão do fundo. Por isso nesse caso, como nosso dinheiro estará seguindo a tomada de decisão amparada pelo racional de um grupo de pessoas é muito importante que este grupo seja extremamente qualificado. E isso vai importar mais do que o custo com taxas que esse grupo que administrará os nossos recursos irá cobrar pelo seu serviço. Afinal bons profissionais cobram mais caro do que a média do mercado, mas costumam entregar retorno."

A lição que podemos aprender desse diálogo é que não podemos olhar apenas para as taxas e muito menos esquecê-las.

Em resumo eu gosto de resumir da seguinte forma, não faz sentido pagar taxas altas para fundos que não possuem muita inteligência envolvida.

Parece bobagem mas dos dez maiores fundos para quem busca a liberdade financeira, nenhum entrega uma estrutura de custo adequada para o que faz.

Já nos casos em que houver uma mente brilhante por trás da tomada de decisão custo passa a ser um critério de análise secundário.

Moral da história: tem muita gente pagando mais do que deve e com isso trocando um futuro brilhante por um bom bônus de fim de ano para o gerente do seu banco.

Você prefere o seu futuro ou as férias dele?